As pessoas vão embora por algum motivo e você não precisa se culpar por isso.


Eu não entendo como uma pessoa consegue gostar tanto de alguém e deixar essa pessoa ir embora, assim, como só mais um alguém que entra e sai da sua vida. Não entendo também como alguém consegue ter coragem de se enganar a ponto de acreditar que o melhor pra si é mesmo ir embora, porque ficar pode ser perigoso demais, mesmo depois de tantos momentos grandiosos. Não entendo como alguém consegue ser tão egoísta a ponto de escolher fugir do outro só pra não ter que provar a intensidade que o outro possui. Eu não entendo como alguém tem coragem de fingir que nada aconteceu, mesmo que tudo tenha sido intenso, único e maravilhoso pra caralho. Ainda que tudo tenha sido foda, eu não entendo como alguém pode fugir de tudo isso, se enganando e dizendo pra si mesmo que às vezes o melhor é jogar tudo pro alto e correr pra bem longe, porque o amor é loucura demais pra caber na nossa bagunça interna.

Eu não entendo como alguém abre espaço pra o outro entrar, limpa cada comodo do peito pra que o outro fique, faz ficar e no final das contas, quando tudo parece leve e agradável, escolhe se afastar pelo medo de sentir, por não saber como agir, ou simplesmente, porque o outro tem algo de diferente. A diferença que deveria ser algo bonito de se ter, se transforma numa coisa que aumenta a distância.

E isso eu não entendo. Não entendo como alguém tenta convencer o outro de que está indo embora, e que isso é a melhor escolha que se pode tomar, quando não existem razões obvias pra acabar. Às vezes é só porque o outro decidiu sair fora, e isso nada tem a ver com a gente, eu sei. Às vezes é só porque a outra pessoa não está preparada pra nossa intensidade, ou porque a nossa imensidão assusta. E por mais que me doa tentar entender isso, é difícil entender quando se existe química, quando o match acontece não somente no olhar mas literalmente nas ligações internas, quando são tantos os gostos e assuntos em comum, mas no final das contas, o outro escolhe ir.

Dá pra entender? Eu não entendo porque tem que ser assim. Porque às vezes parece ir tudo bem, você começa a sentir uma sensação de leveza no peito, e você sente aquela leve agulhada no estômago, você não sabe se fica ou se vai até que o outro te faz ficar e no final das contas, ele acaba indo porque algo em você assustou.



Eu não entendo porque as pessoas somem, fogem, pulam fora por tão pouca coisa e às vezes por nada. Parece que todo mundo está meio perdido tentando encontrar um abrigo pra ficar e ao mesmo tempo, têm medo do que existe além da porta. Parece que anda todo mundo cansado. Cansado de se envolver, cansado de se entregar, de deixar o medo de lado e mergulhar fundo no outro. Parece que tá todo mundo com medo do outro, do que o outro possa fazer com a sua entrega, sabe? Muita gente vai embora por medo da vulnerabilidade da entrega, e eu acho que no final das contas, por mais que algumas partidas doam, essas pessoas fazem favor indo embora.

E eu já não sei o que sou no meio disso tudo. Ando cansado de mergulhar e quebrar a cara, de me dispor e no final das contas ver o outro pulando fora por puro medo de se envolver ou pela bagunça que carrega. E não culpo ninguém, às vezes a gente encontra alguém certo no momento errado. Só não entendo tudo isso, e por mais que me doa entender, eu sei que nada tenho a ver se alguém pula fora de mim por medo da minha grandeza. As pessoas vão embora por algum motivo e eu não preciso me culpar por isso.

Um dia eu te quis, hoje não mais.

Pensar que em algum momento eu pedi pra você ficar, implorei pra que a gente continuasse acreditando que poderíamos chegar em algum lugar. Dia desses me peguei pensando em tudo o que vivi ao teu lado e só consegui sorrir. Sorrir porque apesar de ter te amado como nunca pensei que conseguiria amar alguém, a melhor parte de tudo isso foi ter sentido o alivio que foi deixar de te querer. 

Um dia eu te quis como quem precisava de alguém pra viver, sabe? Eu te quis tanto que me coloquei de lado diversas vezes e achei que você era tudo o que eu tinha, sem ter me dado conta de que tudo o que eu realmente precisava era de mim mesma, principalmente pra entender o que valia a pena manter na minha vida e o que eu deveria descartar. Eu precisava de mim pra compreender que eu nunca fui sua, que você nunca foi meu, e que todo esse sentimento de apego confunde o amor, que deve ser um sentimento tão leve, profundo e recíproco. 

Eu precisava de mim pra aceitar que você não era exatamente o melhor abrigo que achei que fosse, e que em vez de correr pros seus braços pensando que tudo iria passar, eu deveria entender primeiro que, se a tempestade era você, não seria o mais seguro embarcar na tua. Eu precisava de mim pra enxergar que a teimosia é um veneno pro amor, que insistência nem sempre cura nossos machucados, às vezes deixa marcas ainda mais profundas. Eu precisava de mim pra perceber o fim e assim, aprender que ele existe pra a gente recomeçar. 



Hoje eu acho tudo muito engraçado. Consigo rir de todos os momentos em que chorei e implorei que você amadurecesse. Consigo achar graça em todos os machucados que você me fez, porque um dia eles doeram tanto que eu cheguei a pensar que não conseguiria me curar. Mas passa, a gente se cura e quando me curei, percebi o quanto amadureci com tudo isso. Não sei por onde você anda, também não me interessa saber. Não sei se continua sendo o mesmo de antes, e sinceramente, espero que não. Torço pra que você tenha tirado uma lição de tudo isso e ao menos, tenha se tornado um bom abrigo senão pra alguém, pra si.

A gente fica tanto tempo em pessoas que não valem a pena tentando acreditar no amor, que acaba passando pessoas realmente fodas e a gente não enxerga porque insistimos naquilo que não vale a pena. Às vezes a gente tá tão fixado em alguém que não percebemos que esse alguém não é o suficiente pra gente, e talvez nunca vai ser mesmo. 

Você quer mesmo saber por que a gente não deu certo?


Fiquei sabendo que cê anda por aí dizendo que a gente não deu certo. Outro dia um amigo em comum me perguntou porque a gente tinha se distanciado. Respondi que às vezes a distância é o melhor caminho. No fundo você deve concordar com isso, embora ainda apareça de vez em quando em forma de mensagem no meu Whats, ou respondendo as minhas publicações tentando puxar um novo assunto. Acontece cara, que não dá. E quer saber mesmo por que a gente não deu certo? 

A gente não deu certo por conta dos seus sumiços, aquele velho joguinho de demorar pra responder, de não falar quando estiver a fim, de esperar o outro puxar assunto porque de alguma maneira você acha que demonstrar interesse é um defeito. A gente não deu certo porque você é adepto a essa geração mesquinha que está com saudade mas prefere não convidar pra sair, que quando está a fim finge que está nem aí. 

A gente não deu certo não foi por conta das minhas expectativas, foi por conta dessa distância que foi consequência da tua preocupação em não demonstrar afeto, como se o amor fosse algo ruim. E cara, eu não tenho paciência pra quem se limita, ou finge que quer quando na verdade não está tão a fim assim. Não perco mais o meu tempo correndo atrás de alguém que parece querer só quando bem entende, quando na verdade isso é só mais uma maneira que você encontrou de ter alguém te bajulando enquanto você abastece um pouco o estoque seu ego. 

A gente não deu certo porque você falava em saudades mas nunca mexeu um dedo sequer pra me encontrar, e também porque todos os convites que te fiz eram sempre deixados de lado, você sempre com uma desculpa de que não dava, estava cansado, tinha algo pra fazer ou que não sabia como chegar até o lugar. Mas por acaso você já ouviu falar em interesse? Porque quando a gente quer não existe desculpa.  



A gente não deu certo porque você preferiu se distanciar e escolheu me perder assim, de maneira silenciosa, esperando que eu, mais uma vez enchesse a o teu celular de mensagens. Se em algum momento eu não te mandei nem um ''oi'' ou não te liguei mais, foi porque cansei de ir atrás de alguém que não estava disponível mas sim, disposto a me fazer de palhaço. A gente não deu certo porque eu me recolhi, escolhi não participar desse teu circo cujo personagem é bem vazio: você. A gente não deu certo porque você optou pelo jogo e eu, pelo fim dele. A gente não deu certo por conta dessa sua mania de viver se escondendo pra não ter que lidar com suas emoções.

E não precisa dizer aos outros que a gente não deu como se eu não tivesse tentado dar em alguma coisa. Diga que você ainda não amadureceu e que prefere se reservar do que viver. Porque foi por isso que a gente não deu certo, pelo teu medo ou simplesmente, pelo teu prazer em ser mais um desses que faz das relações um jogo. E sinceramente, adultos como eu, não têm mais paciência pra esse tipo de relação.

Série: Ok, também te amo. Capítulo 6: Se te machuca, não vale a pena.


Fico me perguntando: o que diabos eu tinha na cabeça pra permitir que alguém entrasse na minha vida quando na verdade, sequer organizei a bagunça sentimental que uma outra pessoa me causou?

O Rodrigo me ligou numa terça-feira cinza, não sei dizer o que senti exatamente quando vi o número dele na tela do meu celular, mas posso dizer com toda certeza que não era saudade. Tudo o que eu queria era seguir em frente, e se tem uma coisa que eu aprendi é que, mesmo que você ame alguém pra caralho, mesmo que você tenha vontade de ficar com essa pessoa e tentar corrigir tudo o que deu errado, mesmo que você queira permanecer e tentar outra vez, se te tira do sério, se te machuca mais que te traz paz, se só te perturba e te distancia de você mesmo, não vale a pena. Não importa o quanto você ame alguém e queira estar com aquela pessoa, às vezes você precisa entender que o teu equilíbrio emocional vale mais, a tua vida tem mais valor, sabe? 

Eu tinha enfiado na minha cabeça que a minha vida era melhor sem o Rodrigo, por mais que eu quisesse ficar e esse querer me torturasse de uma maneira que eu não conseguia entender porque precisava ser assim. Eu só sei que, por mais que doesse, eu tinha que deixar doer. Eu só não imaginava que iria ser tão complicado. 

Foi difícil ouvir o Rodrigo dizer que ainda me amava e me pedir outra vez, porque por mais que eu soubesse que dar uma nova chance para alguém que não está disposto a mudar e fazer melhor, é perder tempo. E nada me tira mais do sério que a sensação de estar perdendo o meu tempo e jogando um pedaço da minha vida no lixo.  

O Rodrigo me pediu pra pensar um pouco mais sobre o nosso fim, fez toda aquela cena típica de filme de romance quando o cara fode tudo e pensa que falar de amor vai curar todos os seus machucados. O Rodrigo fez questão de me lembrar de todos os melhores momentos que passamos juntos, e os piores ele disse que foram só deslizes, que não iriam acontecer novamente. Me pediu confiança, e eu lembrei de todas as chances que dei e só serviram pra me confundir e desconfiar ainda mais do nosso amor. 



Ele seguiu dizendo que queria me ver, que precisava me ver porque não suportava mais tentar se envolver com outras pessoas e lembrar de mim. Até chorou dizendo que eu não desligasse a ligação. Mas eu precisei desligar, porque percebi que mais uma vez ele estava me confundindo e me fazendo pensar na possibilidade de voltar. 

Antes de desligar a ligação, interrompi a encenação dele dizendo: - Rodrigo, eu tenho compromisso hoje com uma pessoa que conheci, não dá mais!

O silêncio ecoou na ligação. Só ouvi uns suspiros e uma voz tremula com um tom de lágrima me dizer: - não acredito que você fez isso. 

Talvez naquele momento a ficha dele tenha caído e ele tenha se dado conta de que estava me perdendo, mesmo que dentro de mim ainda sentisse um pouco de vontade de ficar. O lado trouxa insistia em pensar na possibilidade de voltar, mas eu precisava acreditar que ligar o foda-se seria bem melhor.

Desliguei.

Continua... o próximo capitulo sairá no dia 12 de Outubro.

Pensei que você faria diferente.



Pensei que você faria diferente de todos os outros que passaram por aqui, que ao menos teria coragem de me dizer o motivo de estar desistindo de tudo. Pensei que você não seria capaz de sumir gradativamente, que não se afastaria de mim assim e que não seria tão egoísta a ponto de não pensar em como eu ficaria. Pensei que você jamais teria coragem de fugir de mim sem sequer me enviar um ''obrigado por tudo'' e que não me deixaria sozinha tentando entender o motivo pelo qual você resolveu ir embora.

Por mais que a minha intuição alertasse que tudo isso poderia acabar, eu tentei continuar. Tentei acreditar que dessa vez seria diferente, que você não seria só mais um e que eu conheceria novamente o amor, porque sim, eu achei que não houvesse mais amor em mim, pensei que ninguém seria capaz de me tirar do meu canto. E por um instante, pensei que você fosse esse alguém que me reapresentaria ao amor, e talvez até tenha sido.

Sem essa de me dizer que você não tem culpa das minhas expectativas, dos meus exageros e saudade absurda, não precisa me falar que você não tem obrigação alguma com os meus sentimentos, que se você não está a fim de ficar, o melhor que deve fazer é ir embora. Eu concordo com tudo isso, cara. Ninguém é obrigado a ficar se não tiver vontade, ninguém é obrigado a permanecer se não tiver a fim. Mas eu preciso te dizer que sou assim, quando percebo em alguém a possibilidade de ficar, eu fico, mesmo que com tantos machucados e cicatrizes. Eu fico por achar que viver é melhor que fugir. Eu fico por acreditar que amar, ainda assim, é maior do que o medo de se envolver. 



E eu me envolvi. Eu me vi acordando todos os dias desejando que você estivesse bem. Eu me vi querendo ouvir a tua voz, conversar contigo sobre tantos assuntos até perder a voz e te pedir um beijo pra molhar a boca e continuar a conversa. Eu me vi livre, podendo seguir os meus caminhos e continuar acreditando nos meus planos pessoais, enquanto você seguia os seus, porque essa tua liberdade me fazia ficar. Era bonito rir ao teu lado sobre todos os embustes que cruzaram o nosso caminho, sobre as atitudes infantis que tivemos no passado e que jamais repetiríamos. Era leve, como o vento que bate em teu cabelo e o embaraça todo, me obrigando a tirar do teu rosto enquanto me perco no brilho do teu olhar. E ali me vejo, mais uma vez. 

Mas aí, você decide partir e todos os detalhes insistem em permanecer, porque além de ser intensa pra caralho eu tenho uma mania de mergulhar nos mínimos detalhes. E tudo bem, você não tem culpa alguma pelas minhas expectativas, eu só esperava que você, ao menos fosse capaz de dizer um adeus, de escrever uma droga de um ''acho melhor pararmos por aqui'' e me enviar, mas você preferiu fazer como todos os outros que passaram por mim. Saiu da minha vida como se nunca tivesse entrado. Foi escolha sua.