Você nunca se importou tanto.

20:19:00 Iandê Albuquerque 1 Comments

Eu não queria te ver assim, juro. Não queria que chegássemos a esse ponto. Eu não queria te ver sofrendo por mim, chorando por mim, porque tudo que um dia quis, foi te fazer bem, mas você não me levou a sério. De coração, eu não queria te fazer mal em momento algum, o meu desejo era cuidar de você como gostaria que alguém cuidasse de mim, com zelo, com carinho, com toda entrega que o amor exige, sabe? Eu não queria te ver pra baixo, muito pelo contrário, a minha intenção era te pôr lá em cima, de levantar nos braços, te colocar nas costas num show do Nando Reis, te dar as mãos e seguir sem se preocupar com a hora de voltar, ou o lugar pra ir. Agora, tudo que eu quero é seguir em paz, seguir em frente, sem você, cê me entende?
Dizem que a dor sempre passa, a gente sempre aprende a conviver com ela, a gente aprende a dar impulso na vida da gente e abrir espaços pra novas coisas. Tudo que posso te dizer é que o tempo vai te curar. Eu não queria ser o motivo da tua dor, nem passou pela minha cabeça me tornar a tua dor de cabeça, mas um dia cê vai entender, eu estive o tempo todo do teu lado, te alertando que um dia eu poderia ir, te pedindo e implorando coisas que nunca deveria implorar, e você nunca se importou tanto. Eu não queria ouvir você lamentando pela gente não ter dado certo, mas é que eu tentei tanto, e você, onde estava? Eu não queria ouvir você dizendo que agora sente falta de mim, que agora sente saudades e ela dói, que agora queria me ver. Se tem uma coisa que eu jamais queria, era te ver mal. Eu me importei tanto, te liguei tanto, senti tanta saudades de você mas tive que suportar tudo, porque você dizia que não estava a fim, porque você sumia, porque você nunca se importou tanto. Eu não queria ter que rejeitar as suas ligações, porque eu insisti tanto em ligar pra você e você me rejeitou, lembra? Agora, justo agora, você parece se importar, mas eu não estou mais disposto. Eu não tenho a intenção de te ver mais, entende? Eu não posso e nem vou voltar, porque quando eu estava do teu lado você não percebia, enquanto eu estava tentando ser pra você o que eu achava que você era pra mim, você me ignorava, esnobava, destratava. De verdade, eu não queria ouvir você dizendo que sente muito pela gente e que, agora, tudo que você desejaria era um abraço meu. Eu tentei, por tantas vezes, te abraçar, eu implorei por um abraço, tentei mostrar a você que a gente poderia dar certo, enquanto você não não se importava. Nunca se importou tanto. Você também já foi o motivo das minhas lágrimas, você também já me machucou. E foi exatamente por isso que eu precisei me decidir, insistir em alguém que nunca se importa tanto, ou começar a se importar comigo e seguir em frente. Eu tentei te avisar que estava de saída, mas você nunca considerou isso, porque você nunca se importou tanto.
Sinceramente, eu sinto muito por você me notar só depois que eu exclui todas as razões pra ficar com você, depois que eu desconsiderei todos os planos que fiz pra nós, depois que eu tive que te tirar de mim e jurei pra mim mesmo jamais me esquecer. Sinto muito por você me perceber só depois de tantas mancadas, depois que eu tanto chorei (sem contar com as muitas vezes tive que segurar o choro) e paguei caro pra me reerguer e seguir em frente sem você, porque você doía. Eu sinto muito por você ter sentido tão pouco. E por ter perdido primeiro, pra só depois aprender a valorizar. Você me pede pra voltar, mas eu não posso. Não posso porque não vejo mais necessidade de voltar depois do tanto que já andei sozinha. E espero que você lembre que, eu só não fiquei porque cê nunca se importava tanto.

Leia também: